11/29/2018

# amor # gravidez

ME TORNEI PLURAL


Quando você se torna mãe tudo muda, antes o que era EU, era normal, hoje o EU, fica cada vez mais esporádico, difícil de ser falado e se torna: ele ou ela, meu filho ou filha, vou levar pro bebê. Ser mãe é se tornar plural, eu não entendia o que era esse amor, até que o Rodrigo chegou e percebi que com ele é tudo melhor, é tudo real, o amor existe e as dificuldades também, cabe uma vida inteira, cabe uma penteadeira, cabe nós dois, já dizia uma música que gosto muito. É real, o amor é real. 
Você tem alguém para compartilhar esse amor? 
O amor é real, saber que alguém precisa de você para tudo, que alguém chora por você e quando você saí sem esse ser pequenino você sente falta, se preocupa e chega até ser chata e desconfiada, oras, é a minha cria. Tenho que saber se já comeu, dormiu, chorou, epa, CHOROU? O QUE ACONTECEU? Entro em desespero sem saber o porque das quantas essa criança chora, ser mãe é ser um leão, é matar um leão por dia, é chegar cansada do trabalho e ir brincar até ele dormir e só assim você ir fazer a sua rotina de banho, comer (as vezes nem come), dormir e no outro dia começar tudo novamente.
O lado bom de ter alguém que precisa de você para tudo é: sempre, eu digo sempre mesmo ter companhia. Vou no banheiro, tem uma carinha rindo pra mim. Vou cozinhar, olha ele ali, quero continuar dormindo no domingo, olha ele ali acordado ás 7 horas da manhã com o sorriso mais lindo querendo brincar,  já foi o tempo de você dormir até 12h, acorda e vai curtir seu filho. 


Um comentário:

  1. Oh muitos parabéns a mama mais linda e ao seu menino
    Beijinhos
    Novo post //Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderExcluir