12/03/2018

# amor # gravidez

E aí, você conta ou eu conto?

Eita tema fácil de escrever, hein. Obrigada quem mandou. Esses últimos tempos, tenho visto muitos posts sobre esse tema e escrever sobre ele é só uma leve descrição da minha vida e de tantas outras mulheres, por aí. 


Acredito que tenham histórias e histórias, cada um tem algo pra contar, cada mãe, tem pai que faz mais que a mãe, tem pai ausente, tem pai que diz que faz e tem o pai de foto. Pega a crianças, tira foto, "papai te ama", enquanto na semana a mãe se vira nos 30. 
Todo mundo conhece alguém, que não conhece o pai.
O normal na nossa sociedade é tudo ficar para mãe, desde da gravidez, tudo é com ela e qualquer atitude que a tal sociedade não aprove. 
É difícil ser mãe se outra pessoa pode levar o crédito. 
Tenho conversado com muitas mães e todas elas tem algo a contar sobre esses pais de foto, que online é muito amor e em casa não troca fralda ou faz um leite. 
A educação vem de casa. Como será a educação de um garoto se vê que o pai se apoia totalmente na mãe, não um apoio positivo, está mais pro tipo encosto, escroto macho dessa nossa sociedade. Que tem tantos benefícios para nós mulheres, né? 
Já faltei no meu trabalho para levar ao médico, já saí mais cedo, já chorei por querer ficar mais com ele e não poder. Já chorei por querer dormir e ler um livro. A rotina da mãe é sempre mais pesada, há outras vidas, há outras histórias, sim. Mas também tem essa. Em uma das minhas conversas com uma mãe, ela me disse que certa vez seu filho foi mordido por um cachorro e o pai da criança (separados) culpou ela, chegou agredir  na frente da vizinhança e no dia seguinte ela era a culpada por ter deixado o filho brincar aonde tinha cachorro. E não, ele não era um pai presente, se fez presente naquele momento, para humilhar e denegrir a imagem de uma mãe. Isso é pouco do que acontece por aí. 
Triste é, será que um dia vai mudar? 


Um comentário:

  1. Fico triste por esse ser o retrato do que vivemos.
    Só tenho más lembraças de tudo que minha mãe passou.
    Tenho 16 anos, acho super válido o debate do tema, pois ajuda a trazer informação para meninas jovens como eu!

    https://mahkemmely.blogspot.com

    ResponderExcluir